Pai do passaporte sanitário na França admite que medida não funciona

O chefe do Conselho Científico Nacional da França, Jean-François Delfraissy, que “orienta” as decisões do governo de Macron sobre restrições supostamente destinadas a “conter a pandemia”, foi questionado pelo senado sobre a utilidade de imposições como o passaporte vacinal.

A senadora Catherine Deroche (LR “Les Républicains”, de centro-direita) perguntou a Delfraissy o homem que vem justificando novas restrições à COVID desde o primeiro confinamento em março de 2020, sobre a utilidade do passaporte sanitário. 

Aqui está sua resposta um tanto confusa, na íntegra: 

“O passaporte desempenhou um papel importante—e, eu acho, ainda desempenha—em pressionar pela vacinação. É por isso que recomendamos. E também para o terceiro. E assim, precisamos um pouco, até certo ponto, da terceira dose, já que a vacinação está em andamento, mas, em suma, ainda não terminamos o trabalho na terceira dose. 

“O passaporte realmente protege? Bem, você deu a resposta; a resposta é ‘não’. Existem limites porque você pode ser vacinado e ainda carregar o vírus. Então, tem seus limites. É hora de mudar o passaporte, etc.? Provavelmente, [mas] este não é o momento de mudar as regras. Estamos no meio da quinta onda; temos que construir sobre o que foi… e cujos limites podemos ver, e então discutiremos tudo de novo, depois.” 

No início de sua declaração introdutória, Delfraissy disse que os “vacinados” devem estar cientes de que logo após a segundo dose e talvez após a terceira dose, ou “reforço”, como agora é oficialmente chamado, eles podem transmitir o vírus. Sem mencionar que os “vacinados” podem e têm COVID grave e até morrer, ele insistiu que eles deveriam aproveitar o fato de que, para eles (e não para os não vacinados), o teste de antígeno é gratuito, e que eles devem ser testados regularmente, em particular ao planejar atender os mais vulneráveis. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.