3a Guerra Mundial: Invasão da Ucrânia desencadeará um conflito global devastador afirma ministra

Yuliia Laputina, ministra dos assuntos de veteranos da Ucrânia, disse que seu país está pronto para se defender contra um ataque de seu vizinho. No entanto, ela previu que o conflito se espalhará muito além de suas fronteiras.

A ministra ucraniana, que também serviu como chefe do serviço de inteligência ucraniano, o equivalente a CIA daquele país, foi perguntada pela Sky News se uma invasão russa poderia levar a uma terceira guerra mundial.

Major-General Yuliia Laputina

A major-general Laputina disse: “Sim. Sim. Porque geopoliticamente, parece que este é um cenário possível.a propagação da guerra em caso de invasão russa à Ucrânia – será muito mais ampla do que a Ucrânia.”

Seus comentários ocorrem em meio à crescente tensão na comunidade internacional sobre tropas russas se reunindo na fronteira com a Ucrânia.

A major-general Laputina acrescentou: “Se a Rússia invadir você sabe, você também deve cuidar dos Bálcãs.

“O que os russos estão fazendo agora na Sérvia – eles tentam provocar uma situação nos Bálcãs. Mas também levamos em conta [o início da] Segunda Guerra Mundial.”

Ministra Yuliia Laputina

Perguntada se ela acreditava que a Ucrânia seria capaz de resistir a um agressor muito mais poderoso, para resistir a uma invasão por seu vizinho muito mais poderoso, ela disse:

“Acho que será bem-sucedida porque, mesmo no caso de uma invasão militar real, o primeiro passo […] pode ser bem-sucedido para os agressores. Mas o próximo passo não será bem-sucedido porque temos uma experiência muito grande de resistência nacional.”

Na segunda-feira, Sergei Ryabkov, vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, disse que a Rússia pode ser forçada a implantar mísseis nucleares de alcance intermediário na Europa. Essas armas tem alcance de 500 a 5.500 km.

A declaração segue preocupações crescentes sobre o acúmulo de tropas e equipamentos militares russos na fronteira com a Ucrânia.

Em uma ligação com o presidente russo Vladimir Putin no início desta semana, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, expressou a “profunda preocupação com o acúmulo de forças russas na fronteira da Ucrânia”.

O primeiro-ministro “reiterou a importância de trabalhar através de canais diplomáticos para diminuir as tensões e identificar soluções duradouras”.

Após uma reunião com o chefe da OTAN no mês passado, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que a “infraestrutura militar sofisticada” da Rússia estava “pronta para ser usada” contra sua nação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.