STF pede explicação de Bolsonaro e Congresso sobre ‘assédio judicial’ a jornalistas

Parece piada, mas não é. O Supremo Tribunal Federal (STF), conhecido por prisões ilegais, buscas e apreensões sem objeto ou motivo nos pedidos e inquéritos sigilosos, quer que o presidente Bolsonaro explique um suposto assédio judicial contra jornalistas.

A decisão foi da ministra Rosa Weber que concedeu um prazo de 10 dias, tanto para o presidente, como para o Congresso, se defendam das denúncias, feita pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). Além do presidente da República, a Câmara dos Deputados e o Senado Federal devem se manifestar.

A Abraji critica o que classifica como “instrumentalização do Poder Judiciário e o exercício abusivo do direito de ação” contra jornalistas.

“A pretexto de exercer um direito e usando prerrogativas que lhes são asseguradas, como a escolha do foro em que será proposta a ação, pessoas têm desbordado do exercício regular para o abusivo, com o intuito de prejudicar e constranger”, diz a entidade. “De modo coordenado entre si, dezenas ou até centenas de pessoas propõem ações indenizatórias no foro de seu próprio domicílio, de modo a causar um dano ao réu.”

Os jornalistas que a Abraji se refere, são os da esquerda militante que ocupam os quadros da grande mídia e, difamam e caluniam o presidente da República, perseguem apoiadores e congressistas da base do governo e desinformam a população.

Ainda segundo a Abraji, “essa prática tem sido chamada, no país, de assédio judicial e se caracteriza quando uma pessoa ou uma causa se torna alvo de um grande número de processos, em um curto espaço de tempo”.

As informações são da Revista Oeste.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.